quarta-feira, 30 de julho de 2008

...ex-voto suscepto





















































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































"A arquitectura parece sobreviver apenas quando salvaguarda a sua própria natureza negando o formato que a sociedade espera dela. Neste sentido, eu sugeriria que nunca houvesse qualquer motivo para duvidar da necessidade de arquitectura, porque a necessidade da arquitectura é a sua não necessidade. Ela é inútil, mas radicalmente inútil. O seu radicalismo constitui a sua grande força numa sociedade onde o lucro é prevalente. Mais do que um suplemento artístico ou justificação cultural para a manipulação financeira, a arquitectura não é diferente do fogo de artificio, porque estas “aparições empíricas”, como lhe chama Adorno, “produzem um deleite que não pode ser vendido ou comprado, que não tem valor de troca e não pode ser integrado no ciclo de produção. " Bernard Tschumi, The Architectural Paradox, 1975

























312 comentários:

1 – 200 de 312   Mais recente›   Mais recente»
triliti star disse...

um abraço

Ana Paula disse...

Fantástico, este mundo a preto e branco! :)

0.04 disse...

Xcelent

Bandida disse...

absolutamente fantástico!!

paradoxal...pois...



beijo grande!

Bandida disse...

adoro este observatório!!!!!!!!!!



beijo

um Ar de disse...

Parabéns pelo blog [tão black & white... tão a meu gosto...].
.
Os observatórios são lugares únicos para se estar para além do tempo e dos seus caprichos.
.
Obrigada pela visita e espero que o "bom tempo" continue por "muito tempo" no Observatory!
.
[Beijo aqui de fora, enquanto observada :)]

A. disse...

...gosto gosto.
e fica o meu Olhar.



(Obrigada.Volte sempre).
*

mdsol disse...

Não sei bem como aqui cheguei...Mas cheguei!
Que boa surpresa! Que boa surpresa!

:)

is disse...

hummm
já desconfiava que este observatório devia ter sede na torrinha...

ainda bem que voltaste e de fio limpo, que apesar dos teus blogs não se integrarem no ciclo de produção, produzem inutilidades que nos deleitam!
:)

mdsol disse...

E não é que, depoi sde ter chegado, me apetece voltar?
Cá estou... e "regostei"! rsrss

:)))

um Ar de disse...

Vinha ver se havia novidades neste lugar de observação.
É certo qe se revê e relê com prazer, mas... venha outro post...

[Beijo de enquant aguardo]

Yvette Centeno disse...

art is where it finds you !

tina disse...

Usas fotocópias? (de borla?)

mdsol disse...

1) o prometido é devido
2) quem espera desespera
3) quem espera sempre alcança!

(resta-me continuar a regostar)

:)

um Ar de disse...

Tenho que voltar, para dizer obrigada.
... pela viagem
... pelas viagens
[não sabendo o que fiz para merecer].
.
[Beijo...@]

intruso disse...

[é de ver e sorrir por mais...]

(guardados, mais uns quantos...)

...


abraço!

~pi disse...

duma ponta à outra

amar traços

índicos indícios

[as palavras não são necessárias

senão vagas

substituíveis

provisórias

letras let ais


~

um Ar de disse...

Mais uma vez, "perdi-me" na net à procura desses "indícios" [de que fala a ~Pi] e outros um pouco mais objectivos..., virtualmente falando.
Pois, muito trabalho!... [nem sempre a preto e branco].
.
... Quis recolher-me num lugar "above"... mas...
.
[Um beijo térreo, daqui... no nível médio das águas do mar...]

rigi disse...

é sempre assim, às escuras?

tolilo disse...

ui,ui, tio observatory

não tens medo do escuro?

eu tenho!

Lis disse...

De volta e que regresso!
Abraço

is disse...

queres negociata?!

(eu já nem sei o que fazer com os meus!)
:)

Ana Paula disse...

Tenho acompanhado a construção do observatório! :)

intruso disse...

Não há testes e (2ªs)vias que nos salvem...

observemos.

is disse...

"why are the words necessary?"

from:
"sonic middle age"

um Ar de disse...

E cresce!...
E reconstrói-se o todo
pelas partes
pelas (p)artes
deste lugar
de observação
[participante...:)]
.
Obrigada pelas visitas.
Aqui, pelos baixios,
no nível médio da água do mar,
aguardam-se novos ânimos.
Terei que procurá-los
numa secção de
"Perdidos e Achados"...
.
[Beijo...@]
C. (idem)

LM,paris disse...

observatoire,
en français,
en négatif
les mains négatives,
marguerite.
vu d'en haut, à plat,
observer,
large;
à l'envers;
l'autre côté ,
arracher la prise
et retrouver
la lumière;
cachette,
chambre noire,
up side
down.
( angoisse).
abram as janelas,
deixem-me ver
as arvores
e ouvir os gritos!
um beijo riscado
( o que eu gosto mais de fazer é riscar)!
merci d'être passé,
bjo
LM

APC disse...

Um pouco de quase tudo é um quê de tanto. Esse vai-e-vem-e-fica de afectos entrosados, infiltrados... Tudo o que envolve, e revolve, numa psicose de vida que não se resolve (sequer monocromatizada).
AA... Lembro-me de uma certa passagem; ponto de contacto, enfim.

E essa caligrafia corrida, com o olhar posto na linha do horizonte!...

*

Mónica disse...

a arquitectura se se preocupasse mais com o homem não fazia tantos pesadelos

Mónica disse...

uma arte às vezes demasiado cara e perpétua pro meu gosto
ai césar

Mónica disse...

ui que memória :D isso sim é arte, que não serve para nada senão para deleite e surpresa!

Mónica disse...

(sumo das pedras parece-me bem, ó poeta, eu diria areia, mas pronto admito q não dou pra mais :DDDDD
já viste q os teus holes deixaram seguidora? é essa a arte de césar: ser seguido)

galakteia disse...

foi dificil descobrir

galakteia disse...

foi dificil perceber onde é que se comentava os teus graffitis.

temporaria_mente insana disse...

olá amigo,

fiquei mto contente, por "ainda" recordares o meu nome.

tbem não te "via" há mto... o email é o mesmo.

depois, apaixonei-me pelo hi5... sempre gostei mto de imagens, procurar, colocar é um bom passatempo.

o teu blog está como sempre, igual a ti próprio, enigmático, critico severo, muito empenho no trabalho elaborado... mas, mais importante, que tudo, é que és uma pessoa fascinante, como sabes, sou uma pessoa muito reservada, a nível de afectos, (apesar de mto brincalhona) mas digo-te honestamente... o mais simples que sei...GOSTO DE TI!

um grande agraço


http://hatamae.hi5.com

Bandida disse...

debruçado neste parapeito. tanto nasço que morro.

um Ar de disse...

Vim "observar" o teu "Observatory", enquanto ainda tenho dedos para escrever...
.
Grandes "introduções" encontrei.
Já tinha lido, noutro lugar, esta tua ligação à eclesiástica Maria da Cruz...
.
Estranha obra a dela!... Muito avant-garde!
.
[Beijo de olhos cansados da luz do écran...]
.
P.S.: Black & white sabe bem, ao fim de tantas horas nas cores do PC.

história e arte disse...

hello!!


gostei da composição... tantas coisas!!! :) gostei

beij

ps.já estás na minha secção de favoritos :)

isabel mendes ferreira disse...

chegou mail? ou não?




______________abraço....

~pi disse...

vim

ver

o s... arqu iv o s :)




~

merdinhas disse...

Atrasei-me mas cheguei e demorei-me.
Passe a pente fino o fio já limpo.

margarida já muito desfolhada disse...

a césar o que é de césar.

isabel mendes ferreira disse...

o insólito belo ou o belo insólito????

.




surreal?

.


beijo.

um Ar de disse...

Pois, tens razão!...
Nem sempre as cores estão em todo o lado.
E, ainda bem.
É um descanso para a vista e para a "visão"!
[Beijo meu]

observatory disse...

olha a leb.

tbm ca ficas bem

bjos dos nossos.

história e arte disse...

..."a arquitectura não é diferente do fogo de artificio..."

nem nós... não é???

b

um santo fim d semana!!

um Ar de disse...

Porque... há uma certa magia nos "sinais", nas "marcas", nos "vestígios"...
.
... um dizer(-se) sem palavras...

.
[Beijo...]

~pi disse...

cdih

de-da-das-dos-dias

(( chuvosa s

viagen s,

m arca s

-a-caso s



~

pront'habitar disse...

já alguém o disse mais acima,mas é também a minha opinião: um belo blogue a preto e branco.

isabel mendes ferreira disse...

encantada. muito. com o "gráfico" de um dizer futuro....


e tb com o acanto prodigioso....:)






obrigada. com beijos.

Gasolina disse...

Subi os degraus. Talvez de quatro, talvez em posição facial invertida.
Até às palavras solitárias. Do deserto só grãos do "Eu". Muitos. Tantos. A esconderem-se em negativos.

Ana Paula disse...

O observatório mostra artisticamente o que observa... :)

um Ar de disse...

.
No pills
.
Sem dúvida
travessia
de um deserto
"ermo lugar"
.
As palavras
calam-se mais
.
[Beijo]

rosasiventos disse...

self

strong self short

observa s tories




kiss

mdsol disse...

como se tivesse vida
sem compartimentações burcráticas
com o sentido do todo
composto de fragmentos interessantes

Frioleiras disse...

bem... por aqui não é branco no preto mas

preto no branco!............

intruso disse...

...e mais umas novas delícias a preto e branco

...aquela garrafa fala-me.


:)

abraço

Marinha de Allegue disse...

Venho agradecela visita ao meu espazo. Foi un pracer descubrir este recanto de comunicación e expresividade.

Unha aperta.
:)

margarida já muito desfolhada disse...

uma palavra pode ser um enorme deserto.
também um deserto pode estar cheio de palavras.

Bandida disse...

delicio-me...


garrafas e desertos. e césares e césar.

Dois Rios disse...

um diferente e curioso xadrez de palavras. adorei!

um beijo,
inês

p.s. obrigada pela visita.

mdsol disse...

hummmmmm gosto mesmo de aqui vir
:))

Gasolina disse...

O amor louco entre encenações (precisam-se), duvidas, conflitos do quero-te, vai-te, não vás, fado interior calcado, embutido em garrafas que se vedam no perigo do abismo do eu não devo.

is disse...

é pá! isto tem andado abrir...

desejos, garrafas, lençóis, arquivos mortos mas vivos, sapatos perdidos e palavras riscadas:

'poe querido poe' - quem me dera meter tudo numa garrafa e atira-la ao mar, abrir outra e despeja-la cá dentro: on/off!

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

porque SIM. e tu também deves saber porquê.....

intruso disse...

(isso mesmo Is...
este observatory é 'a abrir'...

Uma ostra profícua,
mais pérolas a cada dia......

Mestre,
tens aqui uma sucessãããooooo,
de tirar o sono a qualquer um;
belíssimo)

:)
até...

goooooood girl disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
casa de passe disse...

queridão,

viemos até aqui porque hoje

anda por lá o João!

Mas gostámos! De vez em quando pensar preto e branco faz-nos fazer contas à vida (e a nossa não é fácil com o chulo sempre à perna)


(Loulou + Nini sem o Avô, sem a Fininha e ssem o safado do João)

merdinhas disse...

Gosto deste suceder de trabalhos teus. Muito.

pront'habitar disse...

muita coisa nova por aqui.

hei-de meter o meu sapato num garrafão e deitá-lo ao mar no penúltimo momento.

Dois Rios disse...

...e por aqui a criatividade jorra, e eu sei que é real.

beijo,
inês

ivone disse...

um espectáculo com lugar na primeira fila. bravo.
os neutros conquistam e a gradação agradece. a registar a quase ausência da letra. para quê? por vezes não se precisa.

surrealista? não.issurreal talvez. a memorizar claro.

Gasolina disse...

O que vejo.
O que guardo a sete chaves. Não há multidão que os misture. Não há interruptor para ligar e desligar. Fechei em mim.

mdsol disse...

:)))

Bandida disse...

estes teus trabalhos fascinam-me mais de cada vez que aqui passo...

muito bons!!

um Ar de disse...

Os que olho
Os que me olham
Os Mesmos?
ou Outros?
...
Espelho...
[Meu?]
...
[Beijo...@]

LM,paris disse...

Sempre o mesmo sentimento de opressao, " o negativo ",
serà que a palavra absorve,
risca a branco para
afrontar o medo do escuro?
Le tableau noir...ardosia,
a pedra______ riscar a giz, observaçao do outro lado,
a fotografia renasce no papel e salta-nos, viva, para o corpo.
o sapatinho da borralheira nao era de vidro mas de pele, e era uma pantufa...da avo...
serà que fica menos sexy?
le " Vair" é uma espécie de esquilo..." vair" deu em " verre"...e vai dai...nasceu o tal sapatinho onde o pé pequenino deve de entrar, a pantufa da avo era larga. Deixo em suspenso a metafora sexual, mas juro que é " historico" verdadeiro!
Thank you sister da Cruz, for your message,
came back soon,
abraço,
LM

Gasolina disse...

Resistência controlada. Até quando?
até o reflexo se misturar com o original e o negativo se perder na memória confusa do tempo. O que era o inicio? Foi ontem, uma eternidade no imperioso da arrumação, tudo certo, preto ou branco.

rosasiventos disse...

pois, lá está...

ninguém dará conta, pouco importa que morra um ou dez, somos sempre muitos, direi apenas que sim, que de qualquer coisa se morre de repente, e waits, de repente me lembro, invitation to the blues era um bar (...) era

licopódio disse...

Incrível sucessão de observações.
_encenações, afectos, conflitos.

ivone disse...

será que te posso roubar algumas destas observações?

Ana Paula disse...

Os que olhamos. Os que nos olham.

A questão das perspectivas, sempre tão interessante...

Passei por aqui. E olhei o observatório. :)

isabel mendes ferreira disse...

como só tu.



______________beijo.



(.....)

mdsol disse...

"Celebrar-te e ninguém me venha lançar em cara a beleza"!
Registado
Anotado
Gostado
:))

Anónimo disse...

quando se quer ver e não sá falar
___________
o melhor é marcar encontro.
Qual a mulher que não te espera?
........
Mas se não tens a morada?
Gosto deste preto e branco sem perspectiva
Um beijo

morena ardente

Gasolina disse...

Tábuas são leis.
Isso eXiste?
Manda a minha lei que fale contigo no imaginário de todas as conversas perdidas em ruídos negros do talvez mais tarde. Ainda não, por agora não. Os poemas servem.

pront'habitar disse...

em linha recta, sempre a subir.

observatory disse...

estimado anónimo

acredite que nao espero que ninguem me espere.

história e arte disse...

vim cá só espreitar... e tens coisas novas!! sorrio sempre mesmo apesar do dramatismo do branco e negro... ;)
beij

~pi disse...

o espaço oco é

o oco mais que per

feito

o mais int

eiro




~

[A] disse...

"morrer faz bem à vista e ao baço

melhora o ritmo do pulso

e clareia a alma

.

morrer de vez em quando

é a única coisa que me acalma"

Luciane Silva disse...

Nossa que impressão, enquanto o mouse andava a descer a página, parecia que estava num tipo de sonho, lembrou-me o filme Persona do Igmar Bergman. Já morei no Porto, por 3 anos!

slö disse...

+xÕx+

Luciane Silva disse...

Quero voltar sim e rever as grandes amizades que fiz aí! rsrsrsrs...gostei do comentário "do outro mundo", pra mim isto é legal...Amei a proposta do teu blog, nos passa um outro tipo de sensação que não sei explicar- o movimento, a falta de cores, é algo impositivo, meio hipnótico,lixo, sombra, fragmento,profundidade,radiografia da alma, uma vontade da gente se deixar estar, sei eu..rsrsrs Beijão!

Luciane Silva disse...

Eu tenho que reunir os contos do blog para me candidatar à vaga de Escrita Criativa (Mestrado/PUCRS). Não queres me dar a capa de presente? Quem não chora, não mama...bj!

Luciane Silva disse...

Sonhei contigo! Tu eras o ator brasileiro Antônio Abujamra, moravas num prédio ao lado do meu, porém um andar acima. Lias um livro à beira da janela, aproveitando a luz dia. O apartamento era escuro e solitário. Recebeste alguém e reclamas dos filhos, sobrinho que não te deixavam na tua solidão..rsrsrs.
Então, tenho que reunir estes contos que postei no blog num livro para apresentar no ato da inscrição. Pensei em Catarina Helena in nonsense e outras estórias, mas se tiveres idéia melhor, acato. Bj! Obrigada por me dar atenção!

Gasolina disse...

Sentem-se perdidos os mortais nessa invisibilidade do amor. Significados?
Todos. Macro e micro. Lentes. Actores desviados para comuns mortais vestem-se. À boca de cena, bocas, palavras, beijos, linguas que articulam brancos e negros. Ou sim ou não.

pront'habitar disse...

O actor ama desalmadamente.
O actor sabe fingir desalmadamente.
Como toda a gente...

mdsol disse...

o actor... só o actor?

:)

triliti star disse...

não acredito em milagres.

abraço grande.

rosasiventos disse...

é muito belo o poema de herberto. tudo o ele que escreve se magicia,

por momentos a tentação é crer.

[ agora, digo que inexistem
os actores, esses,

tragados no remoinho do ecosistema que os despertou em tempos tão remotos!,

[ há tão pouco tempo afinal.

VIRIATO disse...

Perdido?
Também eu ando.
E disfarço mal.

Abraço

is disse...

(primeira a passar os cem comentários!)

*
perdido na boca
ou pela boca...

*
olha,
a imagem 'colagem76-1' é daquele gajo espanhol que trabalha com o nandinho santos?

Gasolina disse...

Sentamo-nos.
Afundamos conversa perdida nas covas do nosso peso: tempo,agendas, penitências, embustes, reflexos.
O que pesa são os olhos do coração.Maceram-se palavras, é poesia, rendas, fumos.
Bocados do tanto, sempre recortados a negativos.

is disse...

pois é, C!
é mesmo, irremediavelmente, impossível...

VIRIATO disse...

A quem o dizes, ó bom Observador.

etanol disse...

Grande César,

Gostei tanto da tua nova casa que a nomei para o prémio dardos no insónia.

saudades e um abraço para toda a tribo
Maria João

observatory disse...

Estimada etanol

Agradeço o dardo mas como sabes eu sou como a Sara Mago
Sou mais dado a galardões tupperware :)

bjºc.

pront'habitar disse...

Nem sempre o mais necessário é a nossa satisfação. Nem a dos outros.

Luciane Silva disse...

Cadê tu? Temporada no convento? Bj!

Teresa do Mar disse...

Mãos e novelos. Mais. Tempo para dobar meadas e fazer estórias em bolas de fios de vida enrolados uns nos outros.
Borda-se.

~pi disse...

digo antes:

metade da nossa necessidade de consolo

é satisfeita ao olhar o orvalho da manhã,


[talvez mais de metade.


~

mdsol disse...

Ainda bem! Que seria do ser humano satisfeito? Não tardaria nada estava Contentinho da Silva! (olhar chão, este meu.... as minhas desculpas... semanas cheias de coisas que não satisfazem é o que é....)

:)))

belinha disse...

pim pam... POE!
Mas que sotão é este onde a luz desenhou rabiscos na escuridão?
Gostei de ter a tua visita na minha sala ruidosa e colorida...e,verdade,o Mateus e o telemóvel,já nem me lembrava disso!;-)

Gasolina disse...

Sonhos. Visitas guiadas pelo que se quer. Orvalhos interiores que molham palavras.

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

um casamento é um jogo solitário, ou há coisas que eu não entendo!

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

não voltarás a sentar-te onde me sento agora, na cadeira
a mesma cadeira, como quem joga os mesmos números a confiar na sorte
o olhar poisava nos telhados dos velhos armazéns atravessados pelo tempo
agora quintais envelhecidos pelo mesmo tempo
já sem tanques pintados de amarelo, já sem roupa, sem cigarros, sem horas tardias e sem
a gaze do fundo
sem o pano de boca
e as palavras mergulhadas em éter para não perderem a forma
e o formol injectado no coração da gaivota e ela a fechar os olhos devagar, a perder a força
já não me abres a porta e as malas para voltar a fechar e pôr tudo no lugar
o lugar vazio onde me sento sem força a fechar os olhos devagar
a Mimi foi embora para outro quintal à procura da morte
e tu a perguntares pelas máscaras, pela Maria que odiava a mãe e boiava sem vida num bocado de rio
tocas para mim no piano da tua avó o silêncio ermo
tinhas os dedos de criança e com eles escrevias os restolhos das cabras e da noite
o asfalto tem fome de ternura
não voltarei a cair em tentação

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

O original... meu.... lugar .... secreto

http://neurologiadoparasita.blogspot.com/2008/05/no-voltars-sentar-te-onde-me-sento.html

Art&Tal disse...

from l.c.

Gasolina disse...

Será que estou enganada ou vi por aí outros negativos noutros sitios?

Não é suposto os negativos serem os originais?

hum... deixa, deve ser do orvalho das manhãs...

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

such a beautiful day........

Luciane Silva disse...

Oi! Como estás? Tô esperando teu mail! Bj!

Bandida disse...

um grandessíssimo abraço, cf!

magnífico. como só tu sabes.

isabel mendes ferreira disse...

lindo

lindo


lindo


lindíssimo.

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

amb patates!!! nem só de carne vive o homem!

mdsol disse...

Oh 1 de Novembro ...não estou cá!
Que corra tudo bemmmmmmmmmmm!
:))

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

eu prefiro mate cerebral.... e um sorriso no fim.......

merdinhas disse...

Conchas, Bandidas e Dagerman.
Da necessidade das ideias e do consolo.
Das apoplexias dos olhos E dos ouvidos.

teresamaremar disse...

Gosto de estações de comboio, uma magia que os aeroportos não terão jamais, ainda que nos levem mais longe.
O tecido não chegou, porventura demora porque cerzido a ponto... de blog :)))

grata pela visita :)

Ana Paula disse...

Uma forma diferente e gira de lembrar... :)

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/2d/Suni-Tygerberg_Zoo.jpg

mandou-te dar uma volta? hmmmmm

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

o que não queremos é o que mais nos atrai..... coisas da amígdala e do hipotálamo.........

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

e o que eu gosto mesmo é da palavra "gira"..... ah e da "sningshi" (na tua verificação de palavras!)

teresamaremar disse...

Tweed recebido mas a ser devolvido. Ainda que jogue com efeitos de cor, estes não são suficientemente exuberantes para Sonia.

merdinhas disse...

"chocolates cantantes para Rem Koolhaas"


podias explicar á Bandida como são bons. (SFF)

Rosa Brava disse...

Bem... que dizer? Diferente... apesar de pessoalmente, gostar de coisas mais simples, direi talvez mais… básicas… :))))

VIRIATO disse...

Gato Vadio?

É exactamente assim que me sinto.

Abraço!

adivinha disse...

Vim dar aqui.
Como é escuro... faz-me lembrar alguns dos meus pesadelos.

mdsol disse...

Como correu?
Espero que muito bem!
:))

Gasolina disse...

Arte como prazer.
Mem(órias) como luz dos sentidos.

isabel mendes ferreira disse...

obrigada pelo tanto.


abraço duplo com destinatário certo.




.



bom o "gato".


.

beijossssssssssssssssssssss.

O'Sanji disse...

o chá do gato era bom.
melhor a vossa companhia.
abraço.

is disse...

uma idiota:
observa-se com luz ou observa-se a luz?

(...hoje estou míope)

TCHI de Tchivinguiro disse...

O meu B.I. está aqui.

Imensamente belo.

Parabéns.

Bandida disse...

há gatos e gatos... aquele vadio é muito bom.

muito obrigada a ambos!!foi fantástico!



beijos

poemas de luz disse...

Poesia Visual !
Dramática e emocionante.
Gosto muito

um Ar de disse...

E... "defeito profissional", decerto...
... a arte, neste caso,
parece ser "participant observation"!...
.
Imagino que tenha corrido muito bem e tenho pena de não ter ido.
Havia qualquer coisa que eu tinha pensado para sábado...
Faltava qualquer coisa...
... pois, tarde demais me lembrei!
.
[Beijo de desconsolo]

isabel disse...

obrigada por tudo. tudo. tudo.

beijo à I.

ps: lindo, o gato! magnífico quintal

Frioleiras disse...

Um abraço ...

Violeta disse...

O amor não se rouba, entrega-se ao pirata.

triliti star disse...

quando amo aceito o que me dão. quando dão. nada roubo, tudo é passageiro.

já percebi que no sábado houve...

um abraço

VIRIATO disse...

Quando amo roubam-me.
Até me atirarem tontinho para o precipicioooooooo!!!

Abraço

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

eu não.

Anónimo disse...

Noite de lua cheia...

...ou se transformou em lobisomem e cometeu um crime;
...ou teve uma fabulosa e criminosa noite de amor.

Qualquer dos crimes ilibado pela fantástica contrução deste fio.

7Nov-Emb

is disse...

o pormenor da ginasta voadora é um vestígio assim... como é que hei-de dizer...: lindo!
:)

(tens letra de médico)

pront'habitar disse...

Muito interessante este teu espaço.
Espaço de vestígios.
Espaço de certezas?

Gasolina disse...

Que se faça ao salto, sem pudores, nem perdões, nem pavores.
Afinal num poço de luz perde-se todo o rasto...

Rui Caetano disse...

Original. Uma beleza intrigante. Bom fim de semana.

rosasiventos disse...

(...)


tenho nas mãos este amor ridículo


amor de filme esta


terra antiga de longa solidão (...)



[ de roubos nada sei

de seduções

ainda

me

nos



BEIJO

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

fazei isto em memória de mim

merdinhas disse...

itmakesmegiggle


a palavra de verificação é "impie"


(o teu observatoty está cada vez melhor.) "Impie"dosamente melhor.

VIRIATO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Paula disse...

O observador faz a obra... observando aqui, espero contribuir:)

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

stealing souls

história e arte disse...

... o sangue da nova e eterna aliança...


:) :) gostei... b

mdsol disse...

Sim O Duchamp! Sempre me "comoveu" aquela do frasquinho cheio de ar de Paris!
Tungas!

:))

pront'habitar disse...

se há tanto cérebro quadrado porque não há-de a hóstia ser rectangular?

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

"Chess can be described as the movement of pieces eating one another." disse ele....



[piece tuche piece joue]

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

no "back stage" à imagem de deus

hora tardia disse...

da enorme beleza!!!!!


raios!



abraço grande.

intruso disse...

observação enquanto construção

pois é...

(quero ser/estar mais atento)

hora a hora o observatório melhora.



abraço


p.s.
pois é, letra de médico
[risos]

p.s.1
petri, diz a moderação...

mdsol disse...

artistas...sensibilidades? e não só digo eu...
:))

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

mas para onde terá ido o ar de paris?


assinas a prata tu?

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

objet trouvé

âme trouvé

Bandida disse...

observado. não é uma mera obra estética. é um silêncio possuído de espelhos a desaparecer entre os acasos. porque a contraditória imaginativa é um cachecol de sentidos. é um olhar de existências a perceber os copos nas garrafas e nos ouvidos. na dúvida feita passagem para o longe dos poetas. uníssonos como o café e a chávena.


beijo

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

CHÁ DE ARBUSTO DO MEL(Cyclopia)na mesa ao lado da porta dos fundos deixo as impressões digitais na asa do bule e o livro (edição de bolso) do lado com a capa romba de andar na bolsa onde lia os cus de judas com uma certa avidez, não a mesma que agora ponho nas garfadas da tarte de figos e mel…………… tenho as pupilas negras mas não tão negras

m.i.m. disse...

c. obrigada pelo teu comentário lá no outro lado. este teu observatório é um lugar fabuloso. beijos h.

um Ar de disse...

Nem sempre "tão" amada...
Há dias que são diferentes.
É isso que é bom.
O que há em Cedofeita?
Ando outra vez sem tempo para procurar...
.
[Beijo... a correr]

LM,paris disse...

très cher ami,
comme je suis heureuse de voir
Marcel chez-vous!!!
la fontaine n'est pas si excitante qu'une bonne tasse de thé dans une tasse poilue d'Oppenheimmer!!!
{pardon pour l'ortographe...)
Surprise!!!!
J'ai rasé la moustache!
Le poil________________était une
obz-ezao-çinha chez Marcel, un échec...pour ce jouer malin...
marcel_____I will not died for you!!
Que drama________mas quem quer saber?
to much ART KILLS!!!
Song without a word, Art without oeuvre___je dis du mal,
je pense du bien, pas vraiment.
je aime le Stig, là oui,
je LE aime.
BANG!
Impossible à consoler...
le miel de la consolation,
mon ami,tu observes________
l'ours se lèche les griffes,
je mange l'abeille
je laisse le miel.
j'adore ton travail,
tu touches point sensible
proche de la peur, du noir,
de la douceur aussi.
Help me sister cross...fingers,
pardon, mais la mariée était en verre, le vair est salutaire!
C'est temps de te QUITTER?
BJOS
LOVE
LM

leb disse...

O grande espelho na parede, sob as escadas, serve hoje apenas para anunciar a chegada.
Não é mais necessário para olhares cruzados.

Na primeira mesa inicia-se um longo processo de cumplicidades:

2 chávenas de café

um cinzeiro cheio de beatas (por cada 1 sg, 3 gitanes...)

1 folha onde se registam histórias, desejos, planos de futuro

2 mãos que se roçam

14Nov-Emb 84

Frioleiras disse...

Em Auvers-sur-Oise "vi" um desses suportes de garrafas do Duchamp.....
Lastimo, lastimo muito mas................................................................................................................
continuo a achar execrável a arte do Duchamp....

O que é que de arte aquilo tem????

um Ar de disse...

Ora, recomeça o meu problema com o "tempo"... com as "horas"...
Era bom de ver que, apesar de ter sido substituída, alguma coisa ficou por fazer.
Cheguei a casa a ouvir o "Oceano Pacífico" da RFM!... [Nada de novo, vendo bem!]
Estive a tratar das faltas da rapaziada, desde 2 de Outubro!...
"Cedofeita"... já era! Com muita pena...
.
[Beijo...@]

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

lost
messiaen
escada
gelo
sono

âme trouvé

[eterno retorno]

pront'habitar disse...

Na cegueira outras paisagens se verão.

Talvez.

Ou não.

Bandida disse...

a parede ficou lá, pintada a branco...

intruso disse...

lost...

mais ou menos 'as usual'

(e ainda bem)


:)


abraço

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

o milagre
a raínha
a santa

e todas as rosas do mundo serão poucas

~pi disse...

rosa-rosa en ver gonhada

de

espinho claro,


( rosa-rosa

rosa e )



~

Ana Paula disse...

A rosa é bela. :)

Obrigada pelas observações!

Luciane Silva disse...

Amo passar por aqui! Teu trabalho é tudo de bom! Beijão!

leb disse...

Não foram poemas, foram rosas.

Não foram cardos foram prosas.

e
n
e
s
s
e

:*

merdinhas disse...

lembrei-me de trinta e tal metros de livro...

pela estrada fora.

um Ar de disse...

As tuas rosas
são "claras"...
Rosas pálidas...

Everybody feels LOST...
... sometimes
... everyday
... often
... not so often...
... and so on...
Mas sim.

Eu prefiro
margaridas
de olho verde
[as flores, claro...]

Mas
nem todos sabem
dos meus gostos
mini_mais
[e de como é raro
con_tentar-me...]

Desejo-te
boas observações
Quanto menos óbvias mais [...]

[e um beijo]

Gasolina disse...

As rosas para serem verdadeiras precisam de espinhos.
E de dedos picados.
E de uma gota de sangue para se escrever rubra a verdade.

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

150 aliados na tomada de Ceuta

aos 19 dias do mês de novembro do ano da graça..... já não vou trabalhar

e um dia mais

fico só mais meia hora numa pétala de sono

margarida já muito desfolhada disse...

imagem linda aquela lá em cima, da folha roída.

fiquei roidinha de inveja.

Vitória disse...

Rosas como porcelana branca, reinventada, arte de se ver.

Branco no negro?

Ou

Negro que se perfuma de branco?

um Ar de disse...

Obrigada pelas outras rosas!
... as salpicdadas de letras e palavras... de papel!
.
[Beijo...@, assim]

mdsol disse...

Com o último "acrescento" o blog ainda ficou mailindo!

:))))

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

Camellia

Especie Japonica

Origem China

Ano 1792

Forma dobrada

Cor branca

Floracao temporária e de curta duração

Trazida da China por John Slater ou Alfred Chandler

«O mais antigo ‹Mais antiga   1 – 200 de 312   Mais recente› Mais recente»